Para onde foram todos os bons homens?

Os humanos que se tornam Beasts não são os únicos que tocam o Primordial Dream. Algumas vezes humanos sem conexão com a Dark Mother também entram em contato com o lugar onde vivem os pesadelos de toda a humanidade. Seja por questão de sorte, seja como sub-produto das ações de uma Beast descuidada ou cruel. O resultado desse contato é diferente de acordo com as características do humano. Em geral, para humanos com um senso claro de si mesmos e de sua posição no mundo, nada de muito grave acontece. Alguns pesadelos e sensações estranhas, claro, porém nada fora do comum num mundo onde sombras parecem te seguir. Caso a pessoa não tenha uma auto-imagem bem clara os resultados não são tão mundanos.Diante dos terrores, monstros e pesadelos, a pessoa encontra uma nova certeza em sua vida: ele é o escolhido, o último bastião, o Herói (Hero), o único capaz de enfrentar essas monstruosidades. A psiquê da pessoa muda, de forma que ela se convence que ela é a personagem principal da história, a única com uma causa realmente justa, afinal deve haver um motivo maior pelo qual ela foi “escolhida”.

E onde estão todos os deuses?

Essa relação com o Primordial Dream cede algumas competências únicas ao Hero que decide aceitar o chamado:

  • O Hero nunca se rende ou se dá por vencido ao enfrentar um Beast e goza de uma regeneração a dano superior a de outros humanos.
  • Como os Beasts, o Hero substitui sua Virtude e Vício por Legend, a expressão do relacionamento dele com o Primordial Dream, bem mais restritivo do que as opções disponíveis para Beasts, e Life, quando ele se recusa a continuar a história para agir de acordo com o seu lado humano.
  • Eles tem a tendência de ter Integrity 4 ou menos.
  • Heroes são capazes de rastrear os traumas causados, os efeitos provocados e a presença de Beasts por 24 horas depois destes deixarem o local.
  • A ligação dele com o Primordial Dream permite a ele atrair seguidores para sua causa. Ao dormir, o Hero compartilha suas visões do Beast com os mortais que também descansam na região. A grande maioria ignora o chamado, mas todos os que interagiram com o sobrenatural recentemente ou já foram tocados por um Horror de um Beast aceitam o chamado.
  • Por fim a visão egocêntrica que a Hero tem do mundo permite a ela impor fraquezas, medos, fúrias, restrições e atrações num Beast que não esteja faminto ou satisfeito o suficiente como eu comentei no artigo de apresentação dos Beasts.

Onde está o Hércules da rua para desafiar todas as chances de vitória?

Existe a discussão se os Heroes e Beasts não possuíram no passado uma relação menos agressiva. Algo como um sendo o regulador do outro. Não necessariamente algo amigável ou de auxílio mútuo, porém, ainda assim, algo envolvendo uma possível convivência.

Talvez tenha ocorrido alguma quebra nesse equilíbrio, talvez conforme a sociedade se afastou de seus medos, os pesadelos se afastaram da humanidade se tornando mais extremos e dificultando ainda mais a convivência. Por sua vez os Heroes também migraram para um comportamento que atualmente não é compatível nem mesmo com a sociedade humana.

Um elemento comum é o aspecto do Hero como centro da história, algo que não é real no jogo Beast: the Primordial, cujos protagonistas são os BEASTS. Essa dissonância entre o que o Hero pensa de si no mundo e o que o mundo realmente é, várias histórias diferentes com múltiplos protagonistas, acaba transformando o Hero num antagonista. Guiado por esse desejo de impôr as suas visões e desejos sobre o Beast e sobre a sociedade que o cerca.

Um Hero não é necessariamente mau, não é essa a distinção. Um Hero é um babaca, um cafajeste, o único ponto de vista válido é a visão dele. Quando algo acontece, decerto é meramente devido às suas incríveis façanhas. Quando algo dá errado é sempre culpa da presença de Beasts no mundo. Tudo existe ao redor do umbigo dele.

Esse egoísmo possui uma justificativa parcial no jogo. O Hero não tem apenas capacidades incríveis inatas, ele também ganha capacidades novas a cada Beast que ele mata, o Gift. Porém, cada morte pode beneficiar apenas um Hero. Talvez por isso que não existam grandes organizações de Heroes.

Assim, existe um total de dez Gifts, sendo que dois deles podem ser comprados uma segunda vez, ou seja ao matar doze Beasts o Hero possuirá todos eles. Os Beasts tem um termo pra esse tipo de de Hero: Hércules. Como se não bastasse, um desses Gift é justamente a capacidade de considerar outros seres sobrenaturais como se fossem Beasts para as capacidades sobrenaturais do Hero…

Um babaca perfeito.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *